2024-06-09

Agustina Bessa-Luís




Nascida em 1922 na região do Douro, faleceu no Porto a 3 de junho de 2019.

Autora de "A Sibila" e de várias outras obras que conhecemos adaptadas ao teatro e ao cinema como " Vale Abraão", " Meninos de Ouro" ou "Corte do Norte" intitulava-se a si própria "a muito conhecida mas pouco lida".

Autor do mês de junho - 1.º Ciclo


 













2024-05-22

Autor do mês de maio - 1.º Ciclo














 

João Bénard da Costa

Para Recordar


Foi o mais importante defensor e divulgador do cinema português. 

Nasceu em Lisboa a 7 de Fevereiro de1935 em Lisboa e faleceu a 21 de Maio de 2009 na mesma cidade.

Foi crítico de cinema, professor,  escritor e ator.

É reconhecido pelo trabalho que levou a cabo durante 18 anos como Diretor da Cinemateca Portuguesa.


Publicou ao longo da sua vida várias obras de filosofia pedagogia e história do cinema.





Dia do Autor Português - 22 de maio


Porque na sociedade nem sempre se dá a devida importância ao autor, todo o crédito que merece, foi criada esta data em 1982, para o homenagear e destacar a sua importância no desenvolvimento da cultura e bem estar da comunidade.

Assinalando-se neste dia também o aniversário da Sociedade Portuguesa de Autores parabenizamos todos os autores portugueses das diferentes áreas artísticas.

Charles Perrault

   

Poeta e escritor francês do séc. XVII  nasceu em Paris a 12 de Janeiro de 1628 e morreu a 16 de Maio de  1703 na mesma cidade.

É considerado o "Pai da Literatura Infantil" ao estabelecer as bases para um novo género literário, o conto de fadas.

É o autor de "A Bela Adormecida", "O Capuchinho Vermelho". "O Gato das Botas",  "O Pequeno Polegar", e muitos outros contos sobejamente conhecidos e adorados em todo o mundo; continuando ainda hoje a serem editados e adaptados ao teatro e ao cinema.


O Gato de Botas                             



                                                                                    A Bela Adormecida

Leio e Gosto - Camões

           

       Amor é fogo que arde sem se ver

Amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói, e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer.

É um não querer mais que bem querer;
É um andar solitário entre a gente;
É nunca contentar-se de contente;
É um cuidar que se ganha em se perder.

É querer estar preso por vontade;
É servir a quem vence, o vencedor;
É ter com quem nos mata, lealdade.

Mas como causar pode seu favor
Nos corações humanos amizade,
Se tão contrário a si é o mesmo Amor.

 
                                               ━─━─━─「✦」─━─━─━─
"Ah o amor... que nasce não sei onde, vem não sei como, e dói não sei porquê."
                                ─━─━─━─「✦」─━─━─━─
"A verdadeira afeição na longa ausência se prova."

                                           ━─━─━─「✦」─━─━─━─

"Coisas impossíveis, é melhor esquecê-las que desejá-las."
                                         ─━─━─━─「✦」─━─━─━─


"Anda sempre tão unido o meu tormento comigo que eu mesmo sou meu perigo".

                                    
                                                                                           Luís de Camões

2024-05-08

Comemoração dos 500 anos do nascimento de CAMÕES

500 anos do nascimento de CAMÕES

 


     
Não existe um consenso mas ...

            Segundo investigadores de Coimbra,  o dia de nascimento de Luís Vaz de Camões terá sido 23 de Janeiro de 1524.

Para esta conclusão, contribuiu entre outros fatores o estudo de efemérides astronómicas,  verificando que nesse dia se deu um eclipse solar e baseando-se na interpretação do soneto que Camões escreveu:


               " O dia em que nasci moura e pereça,

                 Não o queira jamais o tempo dar;

                 Não torne mais ao mundo, e, se tornar,

                 Eclipse nesse passo o sol padeça.

                    (...)

                 Que este dia deitou ao mundo a vida

                 Mais desgraçada que jamais se viu. "

2024-04-30

50 anos de 25 de Abril 1974

Eis alguns trabalhos realizados pelos alunos, no âmbito das atividades da Semana da Leitura e Comemoração dos 50 anos do 25 de Abril.




Autoria: Ana Lourenço, 12.º C

2024-04-26

Semana da Leitura 2024 - Abertura

Cerimónia de Abertura da Semana da Leitura - Biblioteca Municipal de Penafiel

Abertura da Semana da Leitura - Penafiel a Ler - EBS de Pinheiro

Semana da Leitura 2024-Abertura de Biblioteca Escolar de Pinheiro Penafiel

Semana da Leitura 2024

Viva a Leitura!

Parabéns a todos os que se deixaram contagiar pela leitura.


Semana da Leitura 2024 de Biblioteca Escolar de Pinheiro Penafiel

2024-04-08

Autor do mês de abril - José Afonso





 

Dia Mundial da Poesia - 21 de março

                 


Razão de ser

Escrevo. E pronto.
Escrevo porque preciso
preciso porque estou tonto.                                        
Ninguém tem nada com isso.
Escrevo porque amanhece.
E as estrelas lá no céu
Lembram letras no papel,
Quando o poema me anoitece.
A aranha tece teias.
O peixe beija e morde o que vê.
Eu escrevo apenas.
Tem que ter por quê?        
                                           Paulo Leminski    



Escrever, expressar, recitar…


       Escrever sobre a dor…

Expressar o amor…

       Recitar com ardor…

Alterando ou alternando a ação… tudo se torna poema!

                                                                                                                    Telma Feijó


                                      

2024-03-21

Dia Internacional das Florestas - 21 de março



Foi criado com o objetivo de consciencializar a população para a importância das florestas para o nosso planeta.

No ano de 2024 o tema para a comemoração deste dia é Florestas e inovação, novas soluções para um mundo melhor.

2024-03-16

Autor do mês de março - Manuel Alegre

 

Imagem: Daniel Reche, Pixabay

Letra para um hino

É possível falar sem um nó na garganta
é possível amar sem que venham proibir
é possível correr sem que seja fugir.
Se tens vontade de cantar não tenhas medo: canta.

É possível andar sem olhar para o chão
é possível viver sem que seja de rastos.
Os teus olhos nasceram para olhar os astros
se te apetece dizer não grita comigo: não.

É possível viver de outro modo. É
possível transformares em arma a tua mão.
É possível o amor. É possível o pão.
É possível viver de pé.

Não te deixes murchar. Não deixes que te domem.
É possível viver sem fingir que se vive.
É possível ser homem.
É possível ser livre livre livre.

                                                Manuel Alegre

Dia Mundial do Sono - 15 de março

 

Imagem: Aritha, Pixabay


O nosso bem estar físico, mental e social é melhor se dormirmos bem!

Dia Internacional da Matemática - 14 de março

 Eis uma forma descontraída e divertida de abordar a matemática:


Clica na Imagem ou


                            visita

                                    https://www.facebook.com/istoematematica

                                    https://www.youtube.com/user/istoematematica




Dia Internacional da Matemática - 14 de março

2024-03-14

Autor do mês de março - Manuel Alegre

Imagem: Sweetlouise, Pixabay

Coisa Amar


Contar-te longamente as perigosas
coisas do mar. Contar-te o amor ardente
e as ilhas que só há no verbo amar.
Contar-te longamente longamente.

Amor ardente. Amor ardente. E mar.
Contar-te longamente as misteriosas
maravilhas do verbo navegar.
E mar. Amar: as coisas perigosas.

Contar-te longamente que já foi
num tempo doce coisa amar. E mar.
Contar-te longamente como dói

desembarcar nas ilhas misteriosas.
Contar-te o mar ardente e o verbo amar.
E longamente as coisas perigosas.
    
                                                        Manuel Alegre

Autor do mês de março - 1.º Ciclo


 













2024-03-13

Autor do mês de março - Manuel Alegre


 Imagem: Skalekar1992, Pixabay


As Mãos


Com mãos se faz a paz se faz a guerra.

Com mãos tudo se faz e se desfaz.

Com mãos se faz o poema - e são de terra.

Com mãos se faz a guerra - e são a paz.


Com mãos se rasga o mar. Com mãos se lavra.

Não são de pedras estas casas mas

de mãos. E estão no fruto e na palavra

as mãos que são o canto e são as armas.


E cravam-se no Tempo como farpas

as mãos que vês nas coisas transformadas.

Folhas que vão no vento: verdes harpas.


De mãos é cada flor cada cidade.

Ninguém pode vencer estas espadas:

nas tuas mãos começa a liberdade.

                                                            Manuel Alegre


2024-03-12

Autor do mês de março - Manuel Alegre

Imagem: Susanne Nicolin, Pixabay


Raiz


Canto a raiz do espaço na raiz

do tempo. E os passos por andar nos passos

caminhados. Começa o canto onde começo

caminho onde caminhas passo a passo.

E braço a braço meço o espaço dos teus braços:

oitenta e nove mil quilómetros quadrados.

E um país por achar neste país.

                                            Manuel Alegre



Miúdos a Votos - Livros + Fixes

  Aqui estão os resultados das votações do Ensino Secundário da EBS de Pinheiro:

Miúdos a Votos - Livros + Fixes

  Aqui estão os resultados das votações do 3.º Ciclo da EBS de Pinheiro:

Miúdos a Votos - Livros + Fixes

 Aqui estão os resultados das votações do 2.º Ciclo da EBS de Pinheiro:

Autor do mês de março - Manuel Alegre

Ser ou não ser

Qualquer coisa está podre no Reino da Dinamarca                                            
Se os novos partem e ficam só os velhos
e se do sangue as mãos trazem a marca
se os fantasmas regressam e há homens de joelhos
qualquer coisa está podre no Reino da Dinamarca.


Apodreceu o sol dentro de nós
apodreceu o vento em nossos braços.
Porque há sombras na sombra dos teus passos
há silêncios de morte em cada voz.     
                                                





Ofélia-Pátria jaz branca de amor.
Entre salgueiros passa flutuando.
E anda Hamlet em nós por ela perguntando
entre ser e não ser firmeza indecisão.


Até quando? Até quando?




Já de esperar se desespera. E o tempo foge
e mais do que a esperança leva o puro ardor.
Porque um só tempo é o nosso. E o tempo é hoje.
Ah se não ser é submissão ser é revolta.
Se a Dinamarca é para nós uma prisão
e Elsenor se tornou a capital da dor
ser é roubar à dor as próprias armas
e com elas vencer estes fantasmas
que andam à solta em Elsenor.


                                           Manuel Alegre